Ideias privadas, memórias públicas…

Ideias privadas, memórias públicas…

O blog de Luciano Caroso: etnomusicologia, ciberspaço, tecnocultura e outros bichos

Ideias privadas, memórias públicas… RSS Feed
 
 
 
 

O Samba-lenço de Mauá, São Paulo

Entre as apresentações que aconteceram durante a inauguração da Casa do Samba em Santo Amaro da Purificação, Bahia, em 14 de setembro de 2007, uma me chamou a atenção, a princípio pelo carisma e articulação da mulher que é uma espécie de cantora/animadora. Depois veio a curiosidade em relação ao nome, Samba-lenço, que mesmo tendo uma referência iconográfica óbvia na utilização de um lenço como adereço coreográfico, me parecia ter implicações mais profundas. É interessante a descrição de Q. M. R. Ver Huell, holandes que esteve em Salvador entre 1807 e 1810, em seu livro Minha Primeira Viagem Marítima: 1807-1810, 2007, EDUFBA:

“Mal havia o creoulo começado a tocar e então, como por um misterioso passe de mágica que agitou os celebrantes, levantaram-se todos gritando – “Lundu! Lundu!” – e formando rapidamente um círculo. Um dos homens dirigiu-se ao centro da roda, apanhou um lenço e o encostou, segurando firmemente ambas as pontas com as mãos. […] Acabei criando coragem, pois, como diz o ditado: ‘à maneira da terra, à honra da terra’. Removi o meu lenço do pescoço e na seqüencia, por ser imprescindível à dança, coloquei-o novamente solto à sua volta” (p. 228-9).

Pode ser só coincidência mas a clara utilização do lenço como adereço “imprescindível à dança”, num lundu em Salvador no início do século XIX não deixa de ser um elemento inusitado de conexão com o Samba-lenço de Mauá.

Voltemos à cantora do grupo: por mais que tivesse procurado na Internet, não consegui obter o nome dela ou qualquer outra informação a seu respeito. Como o filme abaixo foi feito despretensiosamente, não me ocorreu procurá-la para colher tais informações no dia do evento, ainda mais porque o Samba-lenço foi um dos primeiros de uma série de grupos dos quais fiz pequenos vídeos. Este eu inclusive legendei, dada a precariedade da captação do som e da dicção, nem sempre clara, da nossa interlocutora:

Como disse, é um discurso rico, denso e articulado. Nos dá sinais de uma série questões que, acredito, são importantes para o estudo etnomusicológico deste tipo de manifestação:

  • A consciência negra e o entendimento por parte dos negros de sua relação visceral com o samba e outras manifestações culturais correlatas;
  • A complexidade do termo samba, que neste caso também é visto como agregador de outras manifestações como maculelê, maracatú, jongo, capoeira, etc;
  • A importante faceta do discurso de raíz e dos processos de transmissão dessa tradição: “a gente veio mostrar o samba […] que a minha tataravó ensinou, que a minha vó ensinou…”;
  • A relação, a meu ver indissociável, da música e da dança em muitos dos diversos tipos de samba;
  • A consciência da importância histórica e política do negro na formação destas manifestações, que, segundo ela, na proclamação da Lei Áurea também dançou;
  • Uma espécie de ascendência social pela qual estes grupos folclóricos têm passado, em função dos últimos acontecimentos como a proclamação do Samba do Recôncavo Baiano pela Unesco como patrimônio imaterial da humanidade e das recentes políticas governamentais de apoio. Vejam que ela deixa escapar que “se sentou no avião com medo”, o que pode denotar uma possível pouca familiaridade dela com viagens aéreas;
  • A necessidade de afirmação na sua identidade negra, já que é de São Paulo (injustamente conhecido como “túmulo do samba”): “Nós somos de São Paulo mas nós também somos negros”. Certamente fruto do caráter hegemônico que a Bahia tem nesse aspecto já que recebeu a maioria absoluta dos negros vindos para o Brasil entre 1500 e 1867;
  • A adequação à realidade midiática e à demanda profissinal. Vejam que ela fala de um jeito que faz lembrar cantores de axé, tentando maior interação com o público e não esquece de agradecer ao IPHAN. Pra mim é aspecto interessante se comparo este comportamento aos dos grupos de samba do recôncavo já que ainda não encontrei até o momento esta postura nos daqui (pelo menos tão articulada e bem sucedida).

Enfim, essa moça me fez pensar um bocado em 2′ 59″ de vídeo.

Agora vejam o próximo vídeo que fiz, na seqüência da apresentação do Samba-lenço. É uma saudação a São Benedito que, segundo consta, é santo de devoção dos sambadores do grupo:

Aê, aê, aê,
Aê quem vai falar?
São Benedito é o santo do preto
Fala na boca, responde no peito

2 comentários para “O Samba-lenço de Mauá, São Paulo”

  1. 1
    Ana Luiza:

    Muito bom!
    Super pertinente o discursso e a análise dele, Realmente a puxadora do Samba lenço é notável. Ela é também uma simpatia pessoalmente!
    Um grande grupo de resgate e resistência da cultura brasileira!!!

  2. 2
    lian:

    É a Claudete, a gigante que canta,e todas essas qualidades são reais, quem quiser saber mais sobre o samba lenço: assita o documentário,”Samba-lenço,a memória está no corpo”, da sociólogae cineasta Paula Quintino, o documetário a partir do mês de Novembro estará à venda no espaço caxuera em São Paulo.Confira!!

Faça um comentário

Youtubecriando

Conexões

Bibliografia

Etnomusicologia do virtual

Conteúdo licenciado

Twitando…

Siga Luciano Carôso no Twiter

Alter Ego

RSS Carta Náutica

Arquivo

Categorias

Amigos

  • No bookmarks avaliable.

Wikipedia Affiliate Button