Ideias privadas, memórias públicas…

Ideias privadas, memórias públicas…

O blog de Luciano Caroso: etnomusicologia, ciberspaço, tecnocultura e outros bichos

Ideias privadas, memórias públicas… RSS Feed
 
 
 
 

A atualidade de Graham

“A rua (…) é extremamente estreita; apesar disso, todos os artífices trazem seus bancos e ferramentas para a rua. Nos espaços que deixam livres, ao longo da parede, estão os vendedores de frutas, de salsichas, de chouriços e de peixe frito, de azeite e doces, [pessoas] trançando chapéus ou tapetes, (…), cães, porcos e aves domésticas, sem separação nem distinção; e como a sarjeta corre no meio da rua, tudo ali se atira das diferentes lojas, bem como das janelas”. A cena descrita é perfeitamente condizível com tantas feiras livres, tão comuns em quase todo Brasil. Pode estar ambientada em uma das favelas ou outros lugares de condições habitacionais subumanas, como os muitos que infelizmente ainda existem em nosso país. Faz lembrar as ruas que fazem ligação ou estão nas circunvizinhanças das avenidas do Centro ou da Barra, que são circuitos para o carnaval de Salvador, nos dias de folia momesca. Denunciam, em suas entrelinhas, problemas sociais como o trabalho informal e as condições precárias de moradia e higiene, em que vive uma substancial quantidade de brasileiros. Estes problemas, por sua vez, apontam para outros como pobreza e falta de perspectiva profissional. A atualidade destas questões sugere que estas linhas foram escritas há pouco tempo. Engana-se, porém, quem pensa assim. Este exerto foi extraído do livro Visitantes Estrangeiros na Bahia Oitocentista, de Moema Parente Augel, onde ela transcreve trecho das impressões de Maria Graham, viajante inglesa, ao passar pela primeira vez pelas ruas da nossa Cidade Baixa, em 1821. O que, naquela altura, poderia transformar a cena vista pelo olhar estrangeiro de Graham? O mesmo que hoje tiraria das ruas os meninos “guardadores” de carro. E que também faria sumir os catadores de lixo. Algo que impediria o florecimento dos Delúbios e dos Valérios. Que fecharia, quase que definitivamente, os caminhos da corrupção. Que, provavelmente, faria surgir empregos e oportunidades de trabalho nunca antes vistos. Em uma palavra: EDUCAÇÃO. Falo de uma educação que esteja plenamente disponível para todos os brasileiros. Que potencialize, amplie horizontes e incremente a cidadania. Esta educação não reside somente na utopia de gente inocente como eu. Já está ao alcance do poderio econômico do nosso país. Poderia ser implementada se houvesse vontade política para tal. Até quando o que Graham escreveu será atual? Até quando meu Deus?

Faça um comentário

Youtubecriando

Conexões

Bibliografia

Etnomusicologia do virtual